+55 11 5505-1325

Posted by admin on julho - 26 - 2017 | 0 Comment

Semana passada recebemos estas perguntas superinteressantes que nos fizeram refletir bastante e gostaríamos de compartilhar com todos.

São perguntas feitas pela assessora de comunicação, Eliana Gentili, da Fundação Baneb de Seguridade Social – BASES, uma Entidade Fechada de Previdência Complementar da Bahia. Que após assistir uma de nossas palestras sobre Accountability/ Desculpability em Maio, nos presenteou com a oportunidade de aprofundar ainda mais o assunto.

Seguem as perguntas:

1 – O senhor defende que a Desculpability é um “firmware”, que o fator desculpa está presente na humanidade desde que ela se entende por humanidade, mas o senhor não acredita que tem pessoas que acabam adquirindo esse hábito por conviverem constantemente com outras pessoas que possuem a mania de dar desculpas para tudo?

Sim, você tem razão, mas ao invés de ambiente, preferimos usar a palavra cultura. O ambiente é muito amplo, podendo ter outras variáveis não controláveis pelo ser humano, já a cultura é definida por nossas crenças, pensamentos e decisões. Por exemplo, existem empresas de culturas corporativas que facilitam o desenvolvimento da Accountability e outras que dificultam. Empresas como Amazon, Ambev, G&E, Magazine Luiza, Sowthwest e Walmart facilitam o desenvolvimento de Accountability.

2 – Na sua opinião, por que acontecem casos em que irmãos, criados da mesma forma pelos mesmos pais, um passa a desenvolver a Accountability enquanto o outro desenvolve a Desculpability?

Não acredito em TÁBULA RASA, teoria na qual afirma que todos nascemos “vazios” e que somos somente frutos do mundo exterior. Traços da personalidade como: teimosia, agressividade, desatenção, falta de persistência, insubordinação e outros têm relação direta mais com herança genética do que com educação. Além disso, dois filhos, mesmo sendo gêmeos, não recebem a mesma educação, os pais por mais que se esforcem na igualdade, acabam se diferenciando emocionalmente e financeiramente.

3 – Existem pessoas que são extremamente dedicadas ao trabalho, porém não reservam a mesma dedicação para a família. O senhor acha que é possível ter Accountability somente na vida profissional e ter Desculpability na vida pessoal?

Definitivamente, sim. Mas vale a pena ressaltar que, provavelmente, pessoas assim desenvolveram Accountability intuitivamente ou por força da circunstância do ambiente corporativo (bônus, promoção, carreira, etc). Não é a mesma situação das pessoas que desenvolveram Accountability intencionalmente e genuinamente, estes aprenderam a interpretar Accountability como virtude moral e aplicam esse conceito em todas as dimensões da vida.

4 – Como desenvolver Accountability pessoal e corporativa em um ambiente no qual o superior hierárquico possui Desculpability?

Fica difícil, mas não é impossível. A beleza da virtude Accountability é que ela nos leva a tentar fazer o melhor que podemos dentro das nossas circunstâncias. Para uma pessoa nessa situação, eu recomendaria a dar o melhor de si e, diante de uma possível abertura, eu entregaria ao superior o livro Desculpability, dizendo: ” Você é um grande líder, mas poderá se tornar ainda melhor após ler esse livro”.

5 – O senhor diz que o primeiro passo é assumir que precisa evoluir, tornar-se um ser humano melhor e instalar o aplicativo da Accountability. Depois de instalado o aplicativo, quais os cuidados que a pessoa deve ter para evitar as recaídas?

Os cuidados que eu recomendo são os mesmos que Aristóteles recomendava para aqueles que queriam incorporar virtudes morais:

1- Reconhecer que não nascemos moralmente completos.

2- Incorporar de forma genuína a virtude Accountability pessoal em todas as suas 10 dimensões.

3- Aprimorar praticando Accountability no meio familiar, acadêmico, social e corporativo, não se permitindo deixar ser influenciado por exemplos negativos a sua volta, sejam eles vindos da família, da sala de aula, da sociedade ou da empresa.

4- Tornar hábito, se esforçar ao máximo para silenciar a Desculpability dentro da mente, até que a Accountability passe a se manifestar espontaneamente.

Essas 4 etapas podem ser aceleradas se a pessoa pedir genuinamente feedbacks.

E você, quer agregar com alguma pergunta? Tem alguma dúvida pertinente? Um desabafo, conselho, feedback?

Entre em contato pelo philippe@joaocordeiro.com.br

E responderemos com o maior prazer. Obrigado por nos ajudar a crescer.